Menu
Sábado, 28 de novembro de 2020

Cesta básica custa quase 40% do salário mínimo em Dourados

Na pesquisa realizada em supermercados de Dourados, mesmos produtos apresentaram diferença R$ 435,32

09 de Mar 2020 - 15h:12 Créditos: Da redação
Crédito: Divulgação

Pesquisa realizada por acadêmicos de Ciências Econômicas da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia (FACE) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) mostra que uma cesta básica chega a custar 39,61% do salário mínimo de um trabalhador douradense, o equivalente a R$ 413,89. Atualmente, o salário mínimo vigente no país é de R$1.045,00.

Na pesquisa realizada em supermercados de Dourados, houve uma diferença de preços na cesta básica com os mesmos produtos, o maior valor sendo R$435,32 e o menor R$377,78, representando uma diferença de R$ 57,54, ou seja, 15,23%. Em um comparativo com o mês de Janeiro/2020, fevereiro apresentou um aumento de 1,28%.  

Segundo a pesquisa da UFGD, dos 13 produtos que compõem a Cesta Básica, sete apresentaram aumento de preço no mês de fevereiro, a banana com o maior, chegando a (14,48%); tomate (9,25%); a batata (5,68%). Outros produtos que também aumentaram os preços, mas de forma menos expressiva foi o açúcar (4,78%), o leite (4,16%); arroz com (2,45%) e óleo de soja (0,81%).  

 Em contraponto,  6 produtos registraram queda no período da pesquisa, como é o caso da  manteiga (7,14%); o café (5,20%); o feijão (3,01%); a farinha de trigo com uma queda de (2,79%); pão-francês (1,34%) e com uma pequena queda a carne fechou (0,68%).  

De acordo com a pesquisa da FACE, “a queda consecutiva da carne, pelo segundo mês, explica-se em parte pela instabilidade momentânea provocada pela diminuição da demanda chinesa, mesmo com a conquista novamente do mercado americano da carne, mas que tendem a se refletir futuramente”.  

Consta na Constituição Federal de 1988 que o trabalhador brasileiro deve trabalhar 220h mensais, com base nessa afirmação, no mês de Janeiro/2020, um trabalhador douradense teria que trabalhar 86h e 32min para pagar uma cesta básica. Já em Fevereiro/2020 o quantitativo de horas que precisam ser trabalhadas subiu para 87h e 8 min, representando uma perda no poder de compra do salário do trabalhador douradense.  

Neste mesmo período, o preço da cesta básica douradense superou os preços praticados em 4 capitais estaduais do país: Natal, João Pessoa, Salvador e Aracajú, conforme o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

Cesta básica

Os produtos que compõem a Cesta Básica conforme o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) de acordo com a Lei Nº 399 que estabelece o salário mínimo são: (Açúcar, arroz, banana, batata, café, carne, farinha de trigo, feijão, leite, margarina, óleo de soja, pão francês e tomate).

Cenário Nacional

Já no âmbito nacional, o maior preço da cesta básica no mês de Fevereiro/2020 foi registrado em São Paulo, com R$ 519,76; seguida por Rio de Janeiro com R$ 505,55 e a terceira capital com maior preço da Cesta foi Florianópolis (Santa Catarina) com R$ 493,15. O valor da Cesta no mês de Fevereiro/2020 teve um aumento em 10 das 17 capitais do país, conforme constata o DIEESE.  

No mês de Fevereiro, os menores preços foram encontrados na capital do Estado da Paraíba, João Pessoa com R$ 403,98; Salvador (Bahia) com R$ 395,49 e com o menor preço da cesta básica do país no mês referido foi registrado em Aracaju (Sergipe) com R$ 371,22.



Deixe um comentário


Leia Também

Veja mais Notícias